ANA CALZAVARA, depoimento à Divisão de Artes Plásticas da Universidade Federal de Londrina. Projeto Desdobrar: Paisagens extensíveis.Abril de 2018.

Nasci no inverno de 1971, em Campinas, interior de São Paulo. Meus pais já moravam em Valinhos, cidade vizinha. Na verdade, esse foi o local onde meus oito bisavós italianos, a maior parte deles advinda da região do Vêneto, se fixaram no primeiro decênio do século XX. Por isso, Valinhos era conhecida como uma das colônias vênetas no Brasil e, por essa mesma razão, foi que aos dezoito anos fiz minha primeira viagem ao território europeu: era um programa idealizado pelo governo vêneto em promover a vinda dos herdeiros dos ex-imigrantes ao local de onde partiram, a fim de que conhecessem um pouco sobre sua origem. Pude percorrer todas as províncias vênetas e tomar contato com obras de artistas que para mim, até aquele momento, só conhecia por livros de arte da faculdade. Se menciono essa viagem, é porque foi importante para pensar, acredito que pela primeira vez de modo mais consciente, em como esses deslocamentos pela paisagem podem se desdobrar também para o nosso interior. Tomar contato com uma paisagem estrangeira que ao mesmo tempo mantinha um forte vínculo com minha própria história: foi preciso ir longe para voltar até mim. A percepção do espaço e a percepção do tempo se entrecruzam e, muitas vezes não é uma relação lógica que se estabelece; como nas palavras de Parsifal em sua travessia: “(…) quase não cavalguei, e me parece estar muito longe”. 

         

Esse poder que a paisagem tem em promover esses “ires-e-vires” entre o que é da ordem externa para a interna, e entre o que é da ordem espacial para a ordem temporal, me fascina e me lança a questão: até que ponto somos o que nos rodeia? Até que ponto somos afetados pela paisagem que habitamos? A resposta estaria na frase de M. Ponty – a de que não devemos nos perguntar se realmente somos capazes de perceber o mundo, devemos dizer o oposto: o mundo é aquilo que (inevitavelmente) percebemos? 

         

Essas questões cada vez mais me movem, uma vez que no mundo que habitamos hoje é cada vez maior o número de pessoas que se deslocam, imigrantes forçados a deixarem sua paisagem natal, seu laço afetivo e íntimo, para habitarem outros lugares e, a partir daí, construírem outra história. Além disso, como se não bastasse nossa apreensão entremeada e fragmentada daquilo que nos cerca, aquilo que chamamos de paisagem é, atualmente, palco de constantes mudanças promovidas pela tecnologia, exploração de lucro e a expansão de investimentos desmedidos. Portanto, o que é hojenossa experiência com a paisagem? Como constituímos essa experiência? O que já era narrada como uma experiência fragmentada no começo do século XX, como poderia ser hoje chamada? Pulverizada? Atomizada?

 

          Algo me ocorreu agora: talvez a característica que vem se estabelecendo em meu trabalho nos últimos anos – a repetição de elementos – seja nada mais do que uma tentativa (talvez fadada ao fracasso, mas nem por isso inútil em seu esforço) de algum modo prolongar, adensar, essa experiência. Conferir espessura a um presente estilhaçado.

                                                                                                        OU

          Talvez um modo de justamente falar dessa incompletude, aquilo que nos escapa continuamente. Essa cacofonia do presente estilhaçado.

                                                                                                  OU ainda

                Ambas as alternativas anteriores.

 

 

curriculum vitae 

                                                                                                                    “Nous sommes un chaos irisé. Je viens devant mon motif – je m’y perds”.

                                                                                                                                                                                                                            Paul Cézanne

 

Pintar uma tela com uma paisagem imaginária aos seis anos de idade. Fracassei. Uma ponte, uma montanha, uma casa. O pitoresco.

             

Meu interesse em olhar para o mundo desembocou na faculdade de arte, Unicamp. Desde o início, o olhar vagueava só pelos espaços. Aqueles habitados nas frestas, que nunca se dá a ver de todo.

Mudança de paisagem – de Valinhos para São Paulo. O urbano. A referência da paisagem se perdeu por um tempo. Foi estrangulada. Para depois, ganhar verticalidade e linhas geométricas. No processo, ateliê Piratininga, meu novo ninho.

             

Pós-graduação em terras inglesas. Bolsa CAPES/Pintura. Finalmente pintar dia todo, todo dia. Por dois anos. Que me pareceram dez. Outra vez o tempo que não é linear diante da intensidade da experiência especial/existencial. Ali, pintava o espaço, para variar. Inicialmente, um espaço do que me parecia mais reconhecível: o que me fazia lembrar de: as cúpulas: Santa Cecília/Archway. Logo depois, o espaço da memória mesmo, o quintal de minha casa (território afetivo, aquilo que eu mais reconhecia) – nem mais olhava ao redor. Para só depois, então, habitar aquele novo lugar, que já não me era mais tão estrangeiro assim. As portas e as janelas vieram com força e ganharam uma vontade de falar do presente. O desejo de me desvencilhar de uma metafísica e ir de braços abertos ao que me rodeava.

           

Na volta para o Brasil, o estranhamento – já não era o que tinha sido. Novamente fazer pontes. Entre o que tinha sido, o que recentemente fôra e o que era naquele momento. Meus salvadores: Volpi, Giotto. Em menor medida, Jasper Johns. Cézanne nem olhava mais, porque tinha sido maculado. Precisava ser.

             

Andanças pela cidade de São Paulo. Única companhia: uma máquina fotográfica. Toda aquela danação de gente sofredora. E era através deles que me salvava. Fotografava. Fotografava. Fotografava. Meu ateliê, nessa época: as ruas, a máquina, e um caderno de desenho.

             

A cidade ficou minha amiga. Eu, de fato, começava a habitá-la: ocupar espaços. A cidade se tornou protaganista – em cursos que dava (A cidade, percursos - Oficina Oswald de Andrade), no próprio trabalho artístico e naquilo que ansiava (grupos de estudo da paisagem (FFLCH/USP), palestras, filmes, discussões). Nessa estrada, Mestrado na Universidade de São Paulo: as frestas guiaram meu caminho – os meios: fotografia e pintura. Um pouco adiante, no doutorado, um desvio para o oriente: o interesse pela gravura japonesa suscitado em um curso do Cláudio Mubarac – outros modos de conceber a impressão, mais pictórica. Os veios da madeira me capturaram. Superfícies de cor. Somado a isso, a xilogravura tinha a vantagem de ser uma imagem impressa – dialogava estreitamente com a fotografia, pela qual já nutria interesse. Outro passo a mais: imagens impressas dialogam não só com as minhas fotografias, mas com as imagens do mundo em geral – essas imagens voláteis, velozes, digitais, sem espessura, mas que constituem parte integrante de nossa realidade hoje. Paisagens artificiais. Paisagens artificias, presentes em nossas vidas, portanto, paisagens que se deslocam para a nossa experiência humana. Paisagens reais. Parte de nós. Aquilo que se mistura. Entremeios, nomeio assim minha tese de doutorado. Só podemos plenamente ser se não tivermos medo do que nos é estranho. Somos constantemente colocados à prova – mudanças ininterruptas. O jeito é sambar. Às vezes, um samba de uma nota só – repetição do que é impermanente.